6 de outubro de 2007

O Custódio

Quando em Dezembro fizer 28 anos, vou ter metade da idade do meu pai. Sempre tivémos mentalidades diferentes e os choques foram quase sempre inevitáveis. Nada que não se tenha sempre resolvido em minutos, invariavelmente com cedências de parte a parte.
No entanto, há uma área, onde mesmo tendo gostos diferentes sempre soubémos respeitar a escolha alheia. Gadjets. Sempre preferi os evoluídos tecnologicamente, compactos e com muitos botões. Já o meu pai, prefere os que privilegiam a mecânica sobre a electronica, potentes e com ar austéro. Ele apelida os meus de brinquedos, eu chamo tralha aos dele. Mas hoje, o meu pai conseguiu surpreender-me. Apareceu-me cá em casa, com o agora baptizado Custódio*, um moto-cultivador. Como o nosso quintal é pequeno e portanto dificil para ser lavrado por um tractor normal, o meu pai decidiu-se por este investimento. Claro que tive de o experimentar na hora. Calcei as botas e um par de luvas e mãos à obra. Consegui uma quase bolha e uma bolha de registo mas fiquei todo contente com a dezena de metros quadrados que lavrei. Já só ficam a faltar as outras 40 ou 50...
Custódio depois de lavrar os primeiros 10 metros quadrados


*em honra ao senhor que sempre nos veio lavrar a terra.

4 comentários:

jg disse...

O aparelhómetro parece uma maquineta de aparar as patilhas.
Agora que a novidade já não o é, suspeito seriamente que voltes a pôr-lhe as mãos em cima!!
Palpites...

fil disse...

Com um atreladozinho podia ser de motorizada. Era um two ein one...

Quadrado.14 disse...

Aposto que a lista de acessórios é bastante extensa!... Quando é que aaranjas o de colher laranjas?

Rogério Oliveira disse...

Abençoadas bolhas. Agora sim! A Ferrari vai ter um Campeão do Mundo. Parabéns Miguel.