1 de novembro de 2007

Para que não restem dúvidas...

... e para deleite no feriado.

5 comentários:

jorge c. disse...

Olha para esse pescoço que feio! E o nariz demasado próximo do lábio superior. Tem mesmo ar de sopeira!
É que não tem mesmo interesse nenhum.
A falta de sensibilidade faz-lhe apreciar uma mulher sem interesse.

jorge c. disse...

Sensibilidade artística, leia-se.

jg disse...

Ó Miguel desiste de divulgar o desencanto desta cachopa.
Até pode ser uma grande actriz e uma excelente dona de casa mas que tem uma pinta de sopeira do género Marisa Cruz, ai isso tem.
Classifico-a em "gajas de dieta". Parece um caldinho de arroz.
Desculpa lá mas não posso deixar de concordar com o Jorge C.
Tenho fé que has-de chegar à razão.

fil disse...

Nos anos 60, sem que ninguém o tenha pedido, as esqueléticas donas da moda americana e francesa inventaram a magreza como ideal de beleza oposto ao anterior. Acontece com todas as rupturas epistemológicas serem o oposto da anterior. Era o tempo da Twiggy e de outros bags-of-bones. O estilo veio para ficar e atingiu o seu auge na última década do século passado com o fenómeno heroin chic de CK e da Kate Moss. E ainda estavamos todos meios perdidos com esse ideal de beleza feminina quando aparece uma mulher diferente das belas do dia, sexy, arrebatadora (com ar de sonsa e sorriso de fera). E nem todos souberam apreciar. Palavreado para quê, as fotos valem mais do que mil comentários.

GRaNel disse...

É bem verdade. Eu sempre gostei mais das roliças.