15 de novembro de 2007

Crepes (ou um post para a Sanchita)

Cozinhar sempre foi um hobby para mim. Desde os tempos em que comecei a misturar ingrdientes num tacho ao lume em casa do meu vizinho Pedro vies, nunca mais parei. Mas andei sempre pelos salgados. Nunca me arrisquei nos doces. Muito porque não gosto especialmente de doces mas tambem porque não gosto muito de experiências e receio falhar. Mas ontem decidi arriscar. Para começar, tinha de escolher algo simples. Tentei fazer crepes. Escolhidas as cobaias e reunidos os ingredientes era tempo de fazer a mézinha. Fica aqui a receita. Guia para os principiantes e à espera de correcção dos mais experientes.

Mexer bem 100g de farinha com 2 ovos inteiros e 1 gema
Juntar 250ml de leite e 30g de manteiga derretida (acho suficiente)
Fazer os crepes numa sertã própria, sem os deixar queimar (eu optei por colocar a massa com o lume forte e passá-lo imediatamente para o mínimo)

Para o recheio comprei gelado de nata e framboesa. Como tambem estava a comprar para a pensão da Zórinha, vulgo casa dos pais, acabei por trocar e trouxe para cá nata e noz. Não ficaram mal apesar de demasiado conservadores. Por cima chocolate quente (chocolate de culinária, manteiga e leite nas proporções que mais gostar e consoante o queira mais liquido ou mais grosso). Juntei ainda chantilly para os mais gulosos.
Ficam as fotos. Já com um pratinho diferente, não vá o menino Rogério dizer mal.

5 comentários:

sanchita disse...

Obrigada, Granel!:)

Gosto de crepes e de fazê-los tb, dá uma certa adrenalina qd temos de os virar sem os dobrar ou desfazer!lol
Pelas fotos deviam estar deliciosos!
O problema é q agora tou aqui com água na boca... :P

fil disse...

Ai que pena...

Gosto deles simples, com açúcar e canela.

As visitas da famelga à capital da moda, em trabalho, significavam para mim (puto): crepes, os espectáculos de rua (no Pompidou) e a Fnac. Mais de vinte anos depois, por cá, já com Fnac no plural e alguns espectáculos de rua, só faltam mesmo os carrinhos dos crepes feitos na hora.

"Avec rien", costumava eu pedir ;-).

jorge c. disse...

Olha o gajo... e eu ainda lhe chamo burro. O gajo tem jeito para o negócio. Chico-Esperto!

joana miranda disse...

E pa irmã nada... só mesmo sopa de urso!!!

jorge c. disse...

Pronto, já não bastava um! Tinha de aparecer esta, também!