27 de outubro de 2007

Operação Morangos - parte I

Desde muito novo, sempre me habituei a comer os morangos que o meu pai plantava. Eram óptimos. Não havia do seu grupo de amigos, quem não gostasse deles. Com o passar dos anos, começou a chatear-se com a plantação e nunca mais tivémos morangos caseiros. Por insistência da minha mãe que lhe pediu encarecidamente, ele lá acedeu e decidiu-se a plantar moranguinhos este ano. Sobrou para quem? Digam lá... Para mim, tá bom de ver. Assim, e indiferente à noitada que tinha passado no café aqui da aldeia, acordaram-me às 10 da manhã e aí vamos nós para a horta.

Ainda meio ensonado, pus-me aos comandos do Custódio; e lavrei; e fresei a parcela de terra (1) que o meu pai decidiu. Os morangueiros são plantas rasteiras e sensiveis pelo que têm de estar protegidas, principalmente, das ervas daninhas. Cá em casa, são plantados em bocados de terreno protegidos por plástico preto e grosso. O plástico faz com que a luz não chegue ao solo minimizando assim, o crescimento das ervas. Era essa a nossa tarefa para hoje. Feitas as marcações (2), escavámos o buraco na área que decidimos (3) e tratámos de colocar o fertilizante (4), leia-se estrume. Cobriu-se o estrume com a terra que havía-mos tirado (5) e colocámos o plástico por cima (6). Depois foi só prender o plástico (7), com terra que depois de regada e compactada o fixa ao solo.

Vamos aguardar 2/3 (não confundir com dois terços) semanas para que as ervas tentem crescer e morram por ausência de luz e depois, aí sim, plantaremos os morangueiros. Até lá...

1 comentário:

Funes, o memorioso disse...

Os morangos são das maiores fraudes que eu conheço. Oferecem à vista e ao olfacto um expectativa que, depois, sai completamente gorada nas papilas gustativas.