14 de outubro de 2007

IX - Lousada II - resumo do dia

Foram vários os incidentes que marcaram a prova de Lousada. Os nervos que afectam os pilotos no final deste campeonato e um Colégio de Comissários experiente nas provas de velocidade mas completamente alheado das provas em terra, baralharam desde cedo o pelotão. Decidiram mal no toque entre Veiga e Tabaio na Manga I, foram demasiado rigorosos com Joaquim Santos e não viram a ultrapassagem com bandeiras amarelas de Tabaio a Teixeira. Isto fez com que todas as mangas estivessem envoltas em polémica. Já a final, foi diferente.

E o seu resumo é rápido e fácil de ser feito. Veiga, que arrancou da terceira posição, chegou logo ao primeiro lugar e não mais o largou. Ruben Tabaio seguiu sempre perto mas sem nunca ameaçar o primeiro posto do piloto Aguadense. Já João Tabaio, fruto de um peão logo na primeira curva, viu-se relegado para a última posição. Recuperou uma posição a António Matias e foi subindo conforme as desistências. Acabou em quarto.


Veiga fez uma corrida isenta de erros, o que à partida para a final parecia difícil tais tinham sido as contrariedades. Ciente da dificuldade e do desafio que tinha pela frente, prometeu à equipa algo que nunca tínhamos visto. Um peão se ganhasse. Em 15 anos de provas nunca fez um peão. Fê-lo em Lousada. Aliás, dois peões que levaram ao rubro o público. Excepção feita à meia dúzia de mecos de Lousada que ainda não esqueceram os campeonatos que Veiga lhes tirou. Mal sabia ele que lhe iam custar caro. O regulamento específico do Rallycross proíbe-os desde o início da época. Após a cerimónia do pódio Veiga foi chamado ao Colégio de Comissários. Aí, reconheceram o erro da manhã ao desclassificá-lo ao mesmo tempo que o informavam que não podiam fechar os olhos ao regulamento. Aplicaram-lhe 15 segundos de penalização. Curiosamente, os suficientes para que João Tabaio passasse Veiga. Mas isto “são” coincidências. Multiclima, que tinha ficado em terceiro na prova, também festejou. Ruben Tabaio ganhou assim a prova, com o pai João em segundo. Veiga foi relegado para terceiro e Multiclima ficou em quarto. Os 10 pontos de vantagem que Veiga ganhou em pista, transformaram-se em 3 de desvantagem, na secretaria.

A classificação, quando já só falta a prova de Baltar dentro de 15 dias, ficou assim ordenada:


1º João Tabaio – 158 pontos
2º Eduardo Veiga – 153 pontos
3º Ruben Tabaio – 141 pontos

4 comentários:

Rogério Oliveira disse...

Cá para mim essa ideia do peãozinho foi tua. Confessa, anda lá.

GRaNel disse...

Confesso que desconhecia o regulamento. O que é óbvio. Se o conhecesse tinha-o avisado logo. São ironias do destino. Mas adiante. Vamos ganhar o campeonato a Baltar.

otília disse...

Podia ter sido ideia dele, mas não foi...desta vez o “menino” Eduardo quis premiar a equipa, brindando-a com algo inédito na sua vida dentro das pistas… correu mal, há uma nova regra no regulamento.

O Eduardo esteve no seu melhor, tanto dentro como fora de pista, com a correcção de trato e postura que todos lhe conhecemos, ainda que perante alguma injustiça (desqualificação injusta na primeira manga)...

A vitória da corrida foi sem dúvida ensombrada pela aplicação da penalização...mas como dizia o “postador” logo no final da corrida "Ganhamos C…*" - e foi mesmo assim, o Eduardo teve o primeiro lugar no pódio numa corrida sem incidentes ou comportamentos anti desportivos - a corrida foi dele do inicio ao fim ainda que com as pressões constantes do jovem Tabaio, e só se ouvia uma, duas, três, quatro, cinco - foi lindo...

Este Senhor das corridas, mais uma vez provou que o “rallycross” lhe corre nas veias e que bem que lhe fica o numero um do pódio (fica-lhe bem o “colar” verde)…
Ainda temos Baltar!!!

Rogério Oliveira disse...

Ai essa menina tb lá estava???
Retiro o que disse Miguel. A ideia do peão só pode ter sido da Otília.