22 de agosto de 2007

Capacidade crítica precisa-se

Definitivamente, Luís Filipe Vieira não se dá bem com os timings. Das decisões e das declarações. Garantiu que Manuel Fernandes não sairia do Benfica e dias depois o médio rumava a Inglaterra. Assegurou que não ia “acontecer nada” a Fernando Santos e ontem pôs-lhe as malas à porta. Resta saber porque razão, não tendo confiança no treinador, o deixou começar a época.

É com este pequeno texto que o Público justifica a nota negativa que atribuiu a Vieira. Estou em crer que não o fez por provocação, mesquinhice ou afrontamento. Fê-lo porque são factos e porque são sinais notórios de que algo vai mal no clube da Luz. O mesmo aconteceu com o post que fiz sobre a saída do Engenheiro. Claro que alguns Benfiquistas, tomaram logo como afronta o post. Qual pelotão de assalto, atacaram as várias frentes com vista a aniquilar o infiel. Numa luta cega pela defesa do nome do clube, algo que nunca pus em causa, apressaram-se a colocar a culpa no treinador e a tentar desviar a conversa para os outros clubes, nomeadamente, as supostas ameaças de que Nicolau Breyner tem sido alvo. Fazem-no por paixão bem sei. Fazem-no porque acreditam. Mas sobretudo fazem-no por que a paixão lhe tolda os olhos e os impede de olhar para o clube que amam e apoiam de forma séria e razoável. E é este o ponto fulcral deste post. A diferença óbvia entre Portistas, Benfiquistas e Sportinguistas (o Word ainda me há-de explicar porque é que Portistas e Sportinguistas é um erro ortográfico e Benfiquistas não). A Santíssima Trindade do F.C. Porto, constituída pela equipa, direcção e claque forma o núcleo que é rodeado pelos adeptos (incluo-me obviamente neste grupo). A relação é doentia e leva a abusos e a uma promiscuidade para mim intolerável. O apoio é total e é o Porto quem neste momento faz deslocar mais adeptos da casa mãe para os estádios adversários. O apoio é incansável, omnipresente e cada vez mais, omnipotente. A ligação perigosa de que falava atrás teve o seu expoente máximo no ataque a Co Adrianse, acto que ainda hoje não atribuo exclusivamente à claque. Não fosse o ataque ao treinador, este seria um bom exemplo de como os adeptos devem estar para o clube. Ao seu lado mas apontando as falhas num binómio de apoio/fiscalização para que ninguém se sirva do clube (pelo menos como parasita) mas que o sirva. No Sporting e no Benfica, as coisas são bem diferentes. Há muito que arranjaram o bode expiatório dos árbitros, agora com o mediatismo do apito dourado, para entreter os tolos e poder reinar a seu bel prazer. Os resultados comprovam-no e antes de lutar seja por que titulo for já se antevêem dificuldades e ensaiam desculpas. As glórias de 60 deram lugar aos meninos bonitos e usar a camisola só uma parte porque andou na maralha e tem um cheiro esquisito (suor não será certamente). Orgulhosamente bairrista, tacanho, pequenino mas com muito para ganhar e com a certeza de que tudo será feito para trazer qualquer caneco para casa…

8 comentários:

filinto disse...

"A luta cega pela defesa do nome do clube" mexe a maioria dos adeptos, e não apenas os teus leitores benfiquistas, e os problemas de "timings" nas "decisões" e "declarações" não é certamente uma coisa exclusiva do presidente do Benfica, tal como o Público atacar o Benfica é normal, seja por "provocação, mesquinhice ou afrontamento" ou até por uma questão de mercado, quem sabe. E claro que a paixão tolda os olhos e o ataque ao treinador não é, em grande parte dos benfiquistas entre os quais me coloco, não é de agora e é mais do que justificado, o próprio - benfiquista - disse que o Camacho era a pessoa ideal para treinar o Benfica neste momento. Até o Word, garanto-te. Se escreveres "treinador" e pedires (clicando por cima da palavra com a placa do lado direito do rato) que o Word te dê uma palavra homónima, aparecerá Camacho.

Mas este comment é só para me defender no caso da defesa do despedimento Fernando Santinhos e para tentar transmitir a gargalhada que dei quando apontaste o FC Porto e os seus adeptos como exemplo de "apoio/fiscalização"... "para que ninguém se sirva do clube (pelo menos como parasita) mas que o sirva"... Desculpa, é bom de mais, é absolutamente hilariamente. Admito que seja o teu caso, mas não me contaste que tinhas andado a perguntar - nas assembleias-gerais e tal - onde estava o dinheiro dos jogadores que foram vendidos nos últimos dez anos (faz umas contas por alto) e porque a resolução do passivo continua a ser adiada.

filinto disse...

hilariante e não hilariamente

Funes, o memorioso disse...

Você, Granel, gasta cera com cada defunto!

A observação final de Filinto é pertinente, embora apneas se dirigida aos accionistas e não aos adeptos do FCP. Estes, como os adeptos de qualquer clube, estam-se nas tintas para o modo como o clube é dirigido ou para as roubalheiras dentro dele. Muito legitimamente, querem é títulos.

jorge c. disse...

Em primeiro lugar só quero fazer uma ressalva. Só vou comentar este post porque haver nele uma refrência a comentários meus. De outra forma não o faria porque acho estas provocações uma imbecilidade gigante.
Acho desonesto a forma como os meus comentários foram para aqui chamados, msubertendo tudo aquilo que disse numa tentativa barata de argumentação. Esse uso e inversão dos argumentos alheios são é técnica fora de moda e em que já ninguém cai.
«atacaram as várias frentes com vista a aniquilar o infiel» - isto é falso. Eu defendi o meu clube. Falei de casos da claque do Porto para mostrar apenas que o Granel é desonesto na discussão e está sempre a falar do Benfica quando nunca sequer aponta nada que seja ao seu clube.
Mantenho a única frase que quero que retirem todos os leitores deste pasquim da blogosfera: Viva o BENFICA!

jorge c. disse...

Onde se lê porque haver nele deve-se ler por haver nele. E onde se lê msubertendo deve-se ler subvertendo.
Peço desculpa pelos erros mas tenho de ir para a praia.

GRaNel disse...

Caros Filinto e Funes, eu não coloco a mão no fogo por ninguem. Muito menos por aqueles que não me são próximos. Não garanto portanto, que as contas do Porto estejam imunes ao Sr Jorge Nuno e restantes. Nunca o fiz, nem farei. Mas há alguns dados que não podemos esquecer. Dados que marcam a diferença de gestão do Porto para Sporting e Benfica. O Porto tem neste momento o estádio pago e os grandes activos são quase exclusivamente do clube (Lucho foi a última aposta e foram adquiridos os 50% que faltavam). Isto tem custos. A alienação de património e os dois empréstimos obrigacionistas, apesar de um estar já quase pago na totalidade, são os mais visiveis. Não sei como são feitas as transferências em pormenor mas sei, como todos sabemos, que contratar na América do Sul é apetecivel. Acredito que muitos tenham ficado com algum que o clube tenha saído obviamente lesado. No entanto, a situação do Porto é no máximo, igual à de Benfica e Sporting. Mas com uma diferença enorme. O Porto ganha. E como empresa cujo objectivo primordial é o sucesso desportivo (por isso são SAD's e não SA's) o Porto apresenta "lucro". Jorge Nuno foi o grande obreiro e trouxe o Porto para a ribalta. Tanto nacional como internacional. Se pelo meio meteu uns trocados ao bolso, ainda que grandes, não me importo. Tem desde já o meu perdão. Ver Benfiquistas a despedir treinadores à 1ª jornada qual barata tonta é paga suficiente.

Para si Jorce c., palavras curtas. A cegueira, a que juntou o desespero são terriveis. Já não consegue interpretar um texto. Em nenhuma palavra faço menção aos seus comentários ou aos de qualquer um em particular. Não pense que é especial ou que tenho qualquer tipo de birra consigo. Falo mal de quem acho que devo falar. O único problema é que o Benfica todos os dias me alimenta o blog. Se não vai ver. Vaticino já uns 10 post's dedicados a Camacho... da primeira vez não resultou. Não vejo porque resultará desta. Pelo meio, e como treinador, só mesmo a humilhação em Madrid. Boa sorte...

jorge c. disse...

Futilidades, meu caro, futilidades!
Além de burro tenta mesmo dar a volta. Mas não se enganem. Parte deste posts são de facto para me provocar. É natural!
Lembro que num comentário anterior fui eu que falei no caso da claque do porto. Eu! Ora some lá um mais um, seu tagarela!

Viva o Benfica!

filinto disse...

Acredita que é preferível ver os anti-Benfica a rir na primeira jornada, do que imaginar as figuras tristes que a equipa ia continuar a fazer com o inginheiro à frente - e o desgoverno da direcção encarnada. Pelo menos agora - insisto, para os benfiquistas como eu - há esperança, coisa que com dois jogos que vi dirigidos pelo Fernando Santos não havia.