5 de julho de 2007

um eufemismo que está na moda

São inúmeras as personalidades que têm morrido vitimas de doença prolongada. Henrique Viana morreu ontem, vitima de cancro...

3 comentários:

otília disse...

Há coisas que nem com eufemismos se “adoçam”…
Ouvir coisas como, “É cancro, mata, tanto hoje como há 10 anos atrás, que quer que lhe diga?!!”- não é fácil.
Tens razão, nem o eufemismo suaviza a realidade do diagnóstico, mas deixa-os protegerem-se nele…

Marta Araújo disse...

De facto esta dualidade de critérios não se entende... Independentemente de se gostar, ou não, do indivíduo em causa, por que é que o motivo da sua morte não foi anunciada "por doença prolongada" mas sim "por cancro"? Por acaso comentei isso quando li a notícia...não morro (morria) de amores pelo senhor, mas já vi a anunciar a morte de gente 'menos ilustre' - seja lá o que isso for -de forma mais doçe. Whatever...vai-se lá entender...

filinto disse...

Não é moda, é resquício do tempo em que os jornais não podiam dizer tudo. Não ajuda nada não.